FILHOS DO LAR




1. PROJETO FILHOS DO LAR

Neste projeto são desenvolvidas atividades complementares à escola que visam o desenvolvimento integral da criança e do adolescente, tendo em vista a autonomia. O trabalho é realizado através de atividades socioeducativas, apoio pedagógico, oficinas, esporte, recreação, integração e sensibilização da família no processo de desenvolvimento pessoal e social.



2. HISTÓRICO

2.a DA INSTITUIÇÃO:

O Grupo Espírita Cairbar Schutel é uma associação baseada na doutrina codificada por Allan Kardec; é isenta de fins lucrativos que tem por finalidade, realizar a promoção social sem distinção de raça, cor, credo politico e religioso às famílias carentes, nas áreas: educacional, médicas, farmacêutica, dentária, enfermagem, jurídica e outras; junto à infância e juventude, através da Creche, a escola e cursos profissionalizantes, todos gratuitos.

O Grupo Espírita Cairbar Schutel iniciou suas atividades assistenciais em 16 de março de 1.963 em Santo André, com atendimento médico, distribuição de remédios, alimentos e roupas aos mais carentes, sob inspiração de Chico Xavier. A partir de 18 de Abril de 1.965 instalou-se, definitivamente, em Diadema, no alto de Santa Rita, tendo à volta terrenos baldios onde não raro, alguns animais pastavam; poucas casas de alvenaria; mais de uma dezena de favelas e muita violência. No começo, casos agudos de pobreza absoluta.

Em 16 de março de 1.977 foi inaugurada a Creche Lar do Alvorecer, que foi instalada no prédio onde já eram feitos todos os procedimentos. As condições físicas eram precárias, até que em junho de 1.981, depois de uma mobilização memorável dos diretores e colaboradores iniciada em 1.978, a creche instalou-se no prédio atual.

Foi aumentando o número de departamentos e entre eles, mais tarde em 1.989, surgiu o Clube das Mães, para aprimorar moral e profissionalmente as assistidas.

No início de 1.990, foi criado o CECOR (Centro de Convivência e Renovação), voltado para a formação integral do adolescente. Esse Centro funciona nas instalações das Oficinas Paulo de Tarso.

Tem hoje o Grupo cerca de 200 voluntários, envolvidos com os diversos departamentos, atendendo a inúmeras famílias.



2.b PROJETO

Tudo iniciou em meados do ano 2.008, a partir de uma demanda social e educacional dos usuários da Creche. Quando os alunos saíram, da pré-escola que era período integral para o ensino fundamental, alguns pais e/ou responsáveis encontraram dificuldades de manter seus filhos em casa, pois não dispunham de condições para dispensar-lhes cuidados e não tinham como pagar alguém; além do mais temiam deixa-los sozinhos, pois corriam riscos. Para ficarem com os pequenos precisariam sair do trabalho. Uma grande maioria são mulheres sós os arrimos de família ou quando não, avós que cuidam de seus netos e preocupados foram em busca de ajuda na Creche-Instituição.

A Instituição foi acolhendo essas crianças no contra turno da escola. No início, não era seguida nenhuma programação prévia e as crianças mais brincavam. Já num segundo momento, foram percebidas as dificuldades de aprendizado e começou o “reforço escolar”. Os pequenos foram crescendo e se tornando adolescentes e esse fato originou a criação de outras demandas que não eram escolares e sim sociais. Houve assim uma mudança de foco e passou-se a pensar na questão socioeducativas.

Como a instituição não tinha apoio financeiro buscaram parcerias e iniciaram algumas oficinas de piano clássico, flauta-doce, informática, cidadania, artesanato e apoio pedagógico.

OBS.: GRUPO ESPIRÍTA CAIRBAR SCHUTEL  NAO RECEBE NENHUMA  AJUDA FINANCEIRA GOVERNAMENTAL OU DE EMPRESA, OS PROVENTOS SAO DOAÇOES DE PARTICULARES, ALMOÇOS BIMESTRAIS, E AÇÃO ENTRE AMIGOS








5. IDENTIFICAÇÃO DO SERVIÇO DE ACORDO COM AS ORIENTAÇÕES E A TIPIFICAÇÃO NACIONAL:


Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus usuários, de acordo com seu ciclo de vida, a fim de completar o trabalho social com a família e prevenir a ocorrência de situações de risco social. Forma de intervenção social planejada que criam situações desafiadoras, estimulada e orientadas os usuários na construção e reconstrução de suas histórias e vivências individuais e coletivas, na família e no território. Organiza-se de modo a ampliar trocas culturais e de vivências, desenvolver o sentimento de pendencia e identidade, fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização e a convivência comunitária. Possui caráter preventivo e proativo, pautado na defesa e afirmação dos direitos e no desenvolvimento de capacidades e potencialidades, com vistas ao alcance de alternativas e emancipatórias para o enfrentamento da vulnerabilidade social.

6. DESCRIÇÃO DO SERVIÇO:


Tem por foco a constituição de espaço de convivência, formação para a participação e cidadania, desenvolvimento do protagonismo e da autonomia das crianças e adolescentes, a partir dos interesses, demandas e potencialidades dessa faixa etária. As intervenções devem ser pautadas em experiências lucidas, culturais e esportivas como forma de expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social.



7. JUSTIFICATIVA

- Fortalecer os vínculos familiares

- Aumentar a autoestima no processo psicossocial e escolar

- Integrar e sensibilizar a participação dos familiares



8. OBJETIVOS GERAIS:

- Complementar o trabalho social com a família, prevenindo a ocorrência de situações de risco social e fortalecendo a convivência familiar e comunitária;

- Prevenir a institucionalização e a segregação de crianças, adolescentes, jovens e idosos, em especial, das pessoas com deficiência, assegurando o direito à convivência familiar e comunitária;

- Promover acessos a benefícios e serviços socioassistenciais, fortalecendo a rede de proteção social de assistência nos territórios;

- Promover acessos a serviços setoriais, em especial das políticas de educação, saúde, cultura, esporte e lazer existentes no território, contribuindo para o usufruto dos usuários aos demais direitos;

- Oportunizar o acesso informações sobre direitos e sobre participação cidadã, estimulando o desenvolvimento do protagonismo dos usuários;

- Possibilitar acessos a experiências e manifestações artísticas, culturais, esportivas e de lazer, com visitas ao desenvolvimento de novas sociabilidades;

- Favorecer o desenvolvimento de atividades interacionais, propriciando trocas de experiências e vivências, fortalecendo o respeito, a solidariedade e nos vínculos familiares e comunitários.



9. OBJETIVOS ESPECIFICOS

- Complementar as ações da família e comunidade na proteção e desenvolvimento de crianças e adolescentes e no fortalecimento dos vínculos familiares e sociais;

- Assegurar espaços de referência para o convívio grupal, comunitário e social e o desenvolvimento de relações de afetividade, solidariedade e respeito mútuo;

- Possibilitar a ampliação do universo informacional, artístico e cultural das crianças e adolescentes, bem como estimular o desenvolvimento de potencialidades, habilidades, talentos e propiciar sua formação cidadã;

- Estimular a participação na vida pública do território e desenvolver competências para a compreensão critica da realidade social e do mundo contemporâneo;

- Contribuir para a inserção, reinserção e permanência do jovem no sistema educacional.



10. USUARIOS: 80 crianças e adolescentes com idades entre 06 a 15 anos e mensalmente suas famílias que sejam:

- Residentes no município;

- Estudantes em Escola Publica;

- Família em situação de vulnerabilidade social- pobreza (com renda per capita de até meio salário mínimo);

- Famílias beneficiárias de programas de transferência de rendas e benefícios assistenciais;

- Criança e adolescente que vivenciam situações de fragilização de vínculos;

- Pessoas com deficiências que vivenciam situações de vulnerabilidade e risco social;

- Usuários encaminhados pelo serviço de proteção social especial: Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e outros.





11. CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS:

Foram formadas 02 turmas, frequentam de 2ª feiras a 5ª feiras.

PERÍODO DA MANHÃ: (das 08h00min ás 11h30min) – 40 crianças e adolescentes.

São oferecidas oficinas socioeducativas: piano clássico, flauta doce, informática, cidadania, artesanato e apoio pedagógico.

PERÍODO DA TARDE: (das 13h00min ás 16h30min) – 40 crianças e adolescentes.

São oferecidas as mesmas oficinas socioeducativas acima referidas.

OBS: Às sextas-feiras são reservadas para visitas domiciliar, reuniões de equipe e etc..



12. ARTICULAÇÃO EM REDE:

- Serviços socioassistenciais de proteção social básica e proteção especial;

- Serviços públicos locais de educação;

- Trabalho; Cultura; Esporte; Segurança Pública entre outros conformes necessidades;

- Conselhos de politicas públicas e defesa de direitos de segmentos específicos;

- Instituição de ensino e pesquisa;

- Serviço de enfrentamento a pobreza;

- Programas e projetos de preparação para o trabalho e de inclusão produtiva.



13. ACESSO:

- Procura espontânea;

- Por busca ativa;

- Por encaminhamento da rede socioassistencial.





14. IMPACTO SOCIAL

- Redução da ocorrência de situações de vulnerabilidade social;

- Prevenção da ocorrência de riscos sociais, seu agravamento ou reincidências;

- Aumento de acessos a serviços socioassistenciais e setoriais;

- Ampliação do acesso aos direitos socioassistenciais;

- Melhoria da qualidade de vida dos usuários e suas famílias.



Houve uma redução da evasão escolar por parte de nossos usuários, pois o apoio escolar vem contribuindo na autoestima e permitindo que cada um avance e sonhe com o seu futuro.

Algumas famílias comentam sobre o desenvolvimento e o envolvimento de seus filhos ou netos diante de algumas situações sociais, pois argumentam, opinam sobre alguns egressos que já estão em programas como Adolescente Aprendiz, Sodiprom e outros. Algumas mães por nosso incentivo estão fazendo Faculdade e são nossas Estagiárias; outras sob estimulo de seus filhos voltaram a estudar e há algumas que estão fazendo cursos na Fundação Florestan Fernandes.

Acresce também informar que cada turma faz, quando em nossa companhia, três refeições balanceadas, o que possibilita o crescimento físico satisfatório. Um detalhe interessante é que nas segundas feiras, a quantidade de alimento a ser consumido é calculada com um terço a mais em comparação aos demais dias da semana. Com isso temos a comprovação de que em casa não se alimentam o conveniente.



15. AMBIENTE FÍSICO: Um espaço compartilhado, reservado às atividades administrativas, á recepção a ao atendimento individualizado;

- Salas de atendimento coletivo e itinerantes: uma sala de aula contendo, mesas e cadeiras; outra sala contendo à sua volta bancadas, para desenvolvimento de oficinas especificas (atividades com jogos, trabalhos com sucata, aulas de origami, etc.);

- Refeitório: pátio onde são realizadas as atividades físicas; brinquedoteca; laboratório de informática; videoteca e espaço onde funcionam as oficinas de música e a biblioteca.

-Instalações sanitárias com adequada iluminação, ventilação, privacidade, salubridade, além de limpeza e acessibilidade em todos os seus ambientes.



16. AMBIENTE FÍSICO: Um espaço compartilhado, reservado às atividades administrativas, á recepção a ao atendimento individualizado;

- Salas de atendimento coletivo e itinerantes: uma sala de aula contendo, mesas e cadeiras; outra sala contendo à sua volta bancadas, para desenvolvimento de oficinas especificas (atividades com jogos, trabalhos com sucata, aulas de origami, etc.);

- Refeitório: pátio onde são realizadas as atividades físicas; brinquedoteca; laboratório de informática; videoteca e espaço onde funcionam as aulas de música e a biblioteca.

-Instalações sanitárias com adequada iluminação, ventilação, privacidade, salubridade, além de limpeza e acessibilidade em todos os seus ambientes.



17. RECURSOS MATERIAIS

17.a MATERIAIS PERMANENTES:

- Mobiliário de um modo geral- mesas e cadeiras; computadores, televisor, aparelho leitor de DVD; caixa de som; rádio, piano, etc..



17.b MATERIAIS SOCIOEDUCATIVOS:

Materiais de consumo- pertencem de papelaria (papéis diversificados, canetas, tintas e pincéis, colas diversas, todo tipo de sucata, etc.). Artigos Pedagógicos, culturais e esportivos; banco de dados de usuários de benefícios e serviços socioassistenciais; banco de dados dos serviços socioassistenciais do cadastro único dos Programas Sociais.

Por exemplo, a utilização de diferentes matérias recicláveis na confecção: de cartões; manufatura, pintura e revestimento interno de caixas com motivos diferentes assim como os tamanhos. Atividades de decupagem com utilização de garrafas pet, copos e pratos descartáveis, caixas de leite e latas com tamanhos variados como também as formas (chocolate, leite em pó, fermento químico, etc.).



18. RECURSOS HUMANOS: a contratar (CLT- NOBRH/SUAS)

- 01 Assistente Social – Nível Superior

- 01 Oficineiro – Nível médio

- 01 Monitor- Nível médio

Já temos contratados:

- 01 Monitor- Nível Superior



19. TRABALHO SOCIAL ESSENCIAL AO SERVIÇO: acolhida; estudo social; visita domiciliar; orientação e encaminhamentos; grupos de famílias; acompanhamento familiar; atividades comunitárias; campanhas socioeducativas; informação, comunicação e defesa de direitos; promoção ao acesso á documentação pessoal; mobilização para a cidadania; conhecimento do território; cadastramento socioeconômico; elaboração de relatórios e/ou prontuários; notificação da ocorrência de situações de situações de vulnerabilidade e risco social; busca ativa.


___________________________________________

Áurea Marly Cunha Guerrero Gutierrez

Diretora 


proJETO FAMÍLIA MULTIPLICADORA

“OFICINA PAIS E FILHOS NUMA RODA DE CONVERSA”

E

“OFICINA TECENDO HISTÓRIAS”



OBJETIVOS DAS OFICINAS

Promover atividades de socialização e de sensibilização das famílias para a compreensão do universo;


Contribuir para o fortalecimento dos vínculos familiares;


Contribuir para a inclusão cultural e o lazer das famílias;


Garantir o direito de se expressar e aprender;


Estimular as potencialidades do grupo familiar;


Reforçar os laços comunitários, estimulando as famílias como agentes multiplicadores de cidadania;


Fortalecendo seu protagonismo e autonomia;


Estimular a participação das famílias e criar um vinculo entre Escola e Família.



PÚBLICO ALVO

O Projeto é destinado a famílias em situação de vulnerabilidade social com fragilização de vínculos, que tem em sua composição filhos de 06 a 15 anos.



METODOLOGIA

O Projeto será desenvolvido através da elaboração e execução de ações com a participação efetiva da família, mensalmente. A metodologia de trabalho contará com instrumentos facilitadores para a abordagem e envolvimento das famílias através das ações: Oficina Pais e Filhos numa Roda de Conversa e Tecendo Histórias.



“1. OFICINA PAIS E FILHOS NUMA RODA DE CONVERSA”



1.a PÚBLICO ALVO

O Projeto é destinado a famílias em situação de vulnerabilidade social com fragilização de vínculos que tem em sua composição crianças de 06 a 15 anos.



1.b DURAÇÃO: FEVEREIRO A DEZEMBRO



1.c OBJETIVO:

Esse Projeto visa criar um espaço de discussão, reflexão, interação e construção coletiva de sentidos, acerca de questões do cotidiano das famílias.

Os temas trabalhados nas rodas de conversa serão definidos em conjunto, preconizando sempre abordar nas temáticas escolhidas, sua relação com a criança e adolescente e seu desenvolvimento no dia-a-dia. Visa proporcionar momentos de interação dos pais e seus filhos, aproximando o adulto do universo infantil, favorecendo assim o fortalecimento de vínculos afetivos.

Tem também como objetivo criar condições para que pais e filhos “fabriquem” em conjunto origamis, bijuterias, livros de história, etc..

Nesta interação pai/filho, o lúdico tem o papel especial e significativo e através dele novas formas de comportamento podem ser experimentadas e socializadas.

Esperamos assim criar um elo maior entre pais e filhos e família e escola.









“2. OFICINA TECENDO HISTÓRIAS”



2.a PÚBLICO ALVO

O Projeto é destinado a famílias em situação de vulnerabilidade social com fragilização de vínculos que tem em sua composição crianças de 06 a 15 anos.



2.b DURAÇÃO: FEVEREIRO A DEZEMBRO



2.c OBJETIVO:

A oficina Tecendo Histórias é uma proposta sócio-pedagógica de intervenção, para que as histórias e os sonhos das famílias acompanhadas possam ser registrados, de modo que esse trabalho de valorização coletiva das experiências vividas possa alcançar o fortalecimento das famílias.

A oficina é realizada através da confecção de uma colcha de papel sulfite feita por etapas, onde cada família participante será responsável pela sua própria produção que no fim dará uma cocha de histórias feita de papel sulfite confeccionada por pais e filhos. O grupo todo escolhe um tema que norteará a composição e a partir do tema, cada família desenha o momento de sua história que ali quer registrar.

O principal material dessa colcha são as suas próprias histórias de vida e seus maiores objetivos a serem alcançados; ou de lembranças que valham a pena ser registradas, para que essas ao invés de lhes paralisar, fortaleçam na autoria das próximas páginas de história a serem escritas.

Depois de confeccionada, cada colcha será entregue a cada família participante que a levará assim para sua casa.

Ficando assim registrado esse momento único.


  • OBJETIVOS FINAIS DOS PROJETOS
  • Fortalecimento das relações intergeracionais;
  • Aumento do protagonismo das famílias no enfrentamento das condições de vulnerabilidade;
  • Ampliação do convívio familiar e comunitário;
  • Formação de agentes multiplicadores de ações em prol da defesa dos direitos da criança e do adolescente;
  • Valorização da infância;
  • Redução da ocorrência de situações de vulnerabilidade social;
  • Prevenção da ocorrência de riscos sociais, seu agravamento ou reincidência;
  • Aumento de acessos a serviços socioassistenciais.



  1. PROJETO OFICINA DE BIJUTERIAS



1.a PÚBLICO ALVO: O Projeto é destinado às famílias em situação de vulnerabilidade social com fragilização de vínculos, que tem em sua composição crianças de 06 a 15 anos.



1.b DURAÇÃO: FEVEREIRO A DEZEMBRO



1.c OBJETIVO ESPECÍFICO: O objetivo do projeto é das maior autoestima para os alunos, criar união entre as crianças e adolescentes, oferecer uma nova perspectiva de vida, dando um ofício e levando-os a crer que eles têm valor, que eles “podem”! Que são capazes.

E podendo até capacitar-se nesta área e dar condições aos alunos de ter conhecimentos e lucros futuros com essa aprendizagem.

Afastando, assim dos caminhos das drogas e da violência.



1.d OBJETIVO GERAL: Os alunos participam da oficina gratuitamente. São trabalhados temas que falam de caráter, honestidade, humanidade, sociedade, solidariedade, relacionamentos, liberdade, ética e etc.. O grupo conviverá e amadurecerá, além de aprenderem uma nova profissão e adquirirem uma nova perspectiva de vida, então serão capacitados como multiplicadores.



1.e OBJETIVO FINAL: Ao finalizar as confecções das bijuterias, faremos “feirinhas”, para que os produtos sejam visto por todos, expostos ao publico e dessa forma fazendo com que os alunos se sintam incentivados.

E também para que eles “como artistas” vejam suas obras sendo admiradas e valorizadas.

  1. PROJETO OFICINA DE INFORMÁTICA



2.a PÚBLICO ALVO: O Projeto é destinado a famílias em situação de vulnerabilidade social com fragilização de vínculos, que tem em sua composição crianças de 06 a 15 anos.

2.b DURAÇÃO: FEVEREIRO A DEZEMBRO

2.c OBJETIVO ESPECÍFICO: Desenvolver a informática como processo educativo, tornando instrumento de produção de novos conhecimentos, sendo assim um facilitador da aprendizagem das novas tecnologias, além de contribuir com o raciocínio lógico, com a concentração, com a coordenação motora, com a percepção visual e auditiva, com a memória, o conhecimento e reconhecimento de cores , sons, letras e números favorecendo novas formas de aprender e pensar.

2.d OBJETIVO GERAL: Fazer com que os alunos se identifiquem com a informática e suas novas tecnologias, enriquecendo sua aprendizagem escolar através de pesquisas e jogos educativos, aprimorando sempre seus conhecimentos.
2.e OBJETIVO FINAL: O nosso principal e final objetivo é que os alunos tenham contato com a tecnologia, com noções básicas de informática para a inserção no mundo do trabalho com um conhecimento a mais, tendo uma oportunidade maior.


  1. PROJETO OFICINA DE MÚSICA



3.a PÚBLICO ALVO: O Projeto é destinado a famílias em situação de vulnerabilidade social com fragilização de vínculos que tem em sua composição crianças de 06 a 15 anos.



3.b DURAÇÃO: FEVEREIRO A DEZEMBRO



3.c OBJETIVO ESPECÍFICO: Ouvindo músicas os conceitos de ritmo, intensidade, altura e melodia são percebidos e além disso o aluno habitua-se a relacioná-la a expressão de seus sentimentos fazendo com que se comunique através dela e assim tornando as aulas muito mais atraentes e divertidas.

A música favorece o aluno na interação do grupo, além de desenvolver uma série de habilidades que o ajuda numa aprendizagem com qualidade.



3.d OBJETIVO GERAL: Visamos desenvolver no aluno a sensibilidade artística e musical; isso através do estudo da teoria musical e principalmente da pratica, aprendendo a tocar instrumentos tais como: flauta piano e aula de canto coral.



4.e OBJETIVO FINAL: Que o aluno reconheça a importância da música; sabendo diferenciar diversos ritmos musicais e instrumentos, desenvolvendo a criatividade e habilidade de interpretar letras de música populares. E assim criar o hábito de fazer a audição consciente motivando a vivência da música em suas vidas.


_______________________________________
RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS DURANTE O ANO DE 2.013



Durante o ano de 2.013, dando prosseguimento ao “PROJETO FILHOS DO LAR”, o Grupo Espírita Cairbar Schutel prestou atendimento a oitenta crianças e adolescentes, com idade entre 6 a 15 anos subdivididos em duas turmas, com 40 (quarenta) por período (manhã e tarde).

Todos os usuários almoçaram aqui na Creche – os do primeiro período tomaram três refeições: café da manhã, colação e almoço. Quanto aos da tarde, também três refeições: almoço, lanche e jantar. Foram oferecidas uma média de 480 momentos diários de alimentação ao dia

Visamos o desenvolvimento integral dos participantes de referido Projeto, tendo em vista sobretudo, que cada um adquira a sua autonomia, através do desenvolvimento de atividades socioeducativas, apoio pedagógico, oficinas, esporte e recreação.

No apoio para todas as horas do dia, tivemos no decorrer de todo o período, a colaboração de duas estagiárias – uma pela manhã e a outra à tarde, contratadas pelo Grupo Espírita. Para as demais funções contamos com o trabalho dedicado de voluntários, que se se desdobraram com intervenções pautadas no desenvolvimento dos trabalhos, plenos de vivências, participação e cidadania; experiências lúdicas, culturais e esportivas, como forma de expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social.



Foram oferecidas aos usuários OFICINAS SOCIOEDUCATIVAS:

  • 1)
    Em todas as segundas feiras tivemos oficinas de ARTESANATO E ORIGAMI. No final do ano levaram a efeito uma feira cultural – aberta ao público, com venda de produtos fabricados pelos usuários e cuja renda foi revertida ao Projeto.



  • 2)
    PIANO CLÁSSICO – a maestrina aqui esteve presente em todas as terças feiras, das 08:00 da manhã às 17:00 da tarde ; participaram das aulas por iniciativa própria 30 crianças e adolescentes, que apresentaram aos colegas, às famílias e comunidade um belíssimo sarau, em dois momentos no decorrer do ano (um no final de junho e o outro antes do Natal).
  • 3)
    Em todas as quartas-feiras veio um profissional especializado em BIJUTERIAS. Os usuários confeccionaram peças para presentear as mães, como também foram revertidas com a venda, em auxílio ao Grupo.
  • 4)
    Todas as quintas-feiras há o momento do CANTO CORAL. Inclusive os usuários fizeram bonita apresentação na Câmara Municipal de São Paulo, na ocasião em que a Dra. Marlene Nobre recebeu o título de Cidadã Paulistana.
  • Nos dois períodos, os participantes do nosso Projeto também foram levados a São Paulo, em visita ao Colégio Nossa Senhora das Graças. Lá fizeram apresentação teatral e musical, foi servido farto lanche e cada um ganhou um lindo presente, que foi uma arrecadação dos alunos daquela Escola.

A OFICINA DE TEATRO buscou desenvolver temas para apresentação aos menores nas datas comemorativas. De todas as atividades, as mais bonitas ao nosso ver foi o teatro da Páscoa e as comemorações do Natal, que contaram com a presença de familiares e da comunidade. Os usuários montaram peças e pequenas historietas, para apresentar às crianças menores.



Todos tocam FLAUTA DOCE, cuja oficina foi desenvolvida por três vezes na semana; e sempre tiveram grande prazer em se apresentar para os coleguinhas menores e para os visitantes.

O laboratório de INFORMÁTICA é utilizado pelos usuários por 3 vezes semanalmente. Nesse ano eles trocaram e-mails com alunos do Colégio Nossa Senhora das Graças, de São Paulo; fizeram pesquisas escolares e sobre o roteiro de viagem por vários países da Europa, realizada por nossa Presidenta Dra. Marlene Nobre, nos seus congressos de medicina pelo mundo afora. Acresce informar que a Dra. Marlene é também a presidenta atual da Associação Médico-Espírita Internacional.



A cada 15 dias tivemos a parceria com ESTAGIÁRIOS DO CURSO DE DIREITO, que em muito motivaram a respeito de ética; noções sobre política e cidadania.

Para elevar a autoestima, contamos semanalmente (nas quartas feiras) com a presença de uma CABELEREIRA, que deixou cada um mais bonito. Cada qual marcou o seu horário, tendo ao final do ano um total de 396 atendimentos.

Também relativamente à melhora da aparência, contamos com os serviços de dentistas, nas quintas feiras à tarde e nas sextas feiras pela manhã, que fizeram um total de 284 atendimentos.

Funcionários da UBS CANHEMA estiveram conosco semanalmente, por uma hora por período às sextas feiras, para ministrar sessões de LIANG-GONG.

Buscamos integrar e sensibilizar as famílias, com o objetivo de fortalecimento dos vínculos familiares, de forma a que possam se inserir no mundo do trabalho e das convivências saudáveis, com valorização dos filhos e entre seus membros, além de conquistarem as oportunidades de uma maior participação no processo de desenvolvimento pessoal e social.



A CADA MÊS PROVIDENCIAMOS ENCONTROS COM OS PAIS e nos quais lançamos mão de técnicas de integração iniciais, para que as reuniões fossem o mais agradáveis possível. Os genitores e/ou responsáveis, ativamente participaram com os filhos de oficinas que versaram sobre diversos assuntos de interesse geral.

  • 1)
    No mês de março houve um encontro, que contou com a presença de 45 pais e/ou responsáveis, a cargo de ESTAGIÁRIOS DE ENFERMAGEM, cujo tema versou sobre VIDA SAUDÁVEL E ALIMENTAÇÃO. Em abril houve uma oficina socioeducativa sob a batuta de uma psicóloga voluntária, que tratou de “Limites”; tivemos a presença de 30 pais.



  • 2)
    Em outro momento em ABRIL, houve a oficina socioeducativa com a participação de CONSELHEIROS TUTELARES, que trataram de assuntos pelos quais todos se mantiveram participativos e muito atentos, sobretudo os referentes ao ECA. Contamos com 25 pais e/ou responsáveis.
  • 3)
    Em MAIO todos prestamos uma linda HOMENAGEM ÀS MÃES, que receberam presentes confeccionados pelos próprios filhos.
  • 4)
    Em JUNHO, contamos com a parceria dos FUNCIONÁRIOS DA UBS CANHEMA, que falaram sobre VIDA SAUDÁVEL E DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS – como evitá-las. A presença dos pais caiu um pouco – tivemos 17 convidados.
  • 5)
    No mês de AGOSTO, para atrair o público feminino, tivemos a OFICINA DE BELEZA, aberta à comunidade e aos pais, com a participação de PROFISSIONAIS DO RAMO (MAQUIADORES). Tivemos a participação de 37 pessoas.



  • 6)
    Em SETEMBRO houve uma oficina sobre PSICOLOGIA, com o tema SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. O assunto foi de interesse geral. Marcaram presença 23 pais.
  • 7)
    Houve a oficina de OUTUBRO, cujo assunto versou sobre SAÚDE E NUTRIÇÃO, sob o comando de ESTAGIÁRIAS NUTRICIONISTAS. Marcaram presença 28 pessoas.



  • 8)
    Novamente as ESTAGIÁRIAS DE ENFERMAGEM, em NOVEMBRO, com a oficina sobre CUIDADOS DE HIGIENE E VIDA SAUDÁVEL, na qual estiveram presentes 35 pessoas.
  • 9)
    Em DEZEMBRO, recebemos a visita do presidente e funcionários da GM, com farta distribuição de presentes a todos.
  • Aberta aos familiares e à comunidade, aconteceu a apoteose do Natal, com presépio vivo, músicas e cantigas comemorativas.






 Videos de oficinas e realizações